Sistema de Airbag: Quais os tipos e como funciona


airbag deflagrado

Compartilhe

facebook
twitter
whatsapp
linkedin

Fique por dentro do sistema de airbag que é responsável pela sua segurança no interior do veículo.

Texto: Bárbara Lira

A partir do dia 1º de janeiro de 2010 o sistema de airbag em veículos 0 km passou a ser obrigatório no Brasil. Segundo a lei, o item de segurança é indispensável não só para o motorista, mas também para o passageiro do banco dianteiro.

airbag de passageiro

O processo de acionamento desse item de segurança é inteligente, por isso, antes de funcionar, o sistema de airbags considera uma série de parâmetros do veículo, como: desaceleração repentina, velocidade e peso dos passageiros. Em um choque menos grave, ou quando houver uma pessoa mais baixa e leve, o airbag pode inflar em uma velocidade menor, por exemplo.

Outro ponto a ser observado é que, através de sensores que trabalham junto ao airbag, em uma colisão, o carro só irá inflar as bolsas necessárias. Por exemplo: em uma batida traseira, não faz sentido acionar as bolsas frontais. Isso, porque, além de não oferecerem proteção alguma nesse tipo de acidente, vão prejudicar o controle do carro pelo motorista, atrapalhando o uso do volante e a visão.

Tipos de airbag

tipos de airbag
  • Duplo frontal: O tipo obrigatório e o mais comum. Normalmente, as bolsas ficam dentro do volante e no painel em frente ao banco do carona. Nesse caso, tem a função de proteger o peito do motorista\passageiro;
  • Cortina: Nesse modelo, a bolsa de ar sai da lateral superior do carro e cobre toda a janela do veículo. Dessa forma, o sistema diminui impactos na cabeça em acidentes laterais e ajuda a proteger os ocupantes de possíveis cacos de vidro;
  • Lateral: Essa categoria tem como objetivo salvar a parte lateral do corpo dos ocupantes do veículo. A proteção sai da parte do lado dos bancos dianteiros;
  • Central: O airbag central é um mecanismo que fica acoplado entre os bancos dianteiros e tem como função evitar que os passageiros se choquem entre si durante um acidente;
  • Traseiro: Essa bolsa entra em ação durante um impacto traseiro e é inflada nos contornos dos encostos do banco de trás para proteger as cabeças dos ocupantes;
  • Teto: Uma novidade trazida pela Hyundai, o airbag de teto promete que os passageiros, que estejam em carros com teto solar, não se cortem ou sejam arremessados para fora do veículo em caso de possível capotamento;
  • Airbag de Cinto: Essa tecnologia – que também é recente – basicamente envolve o cinto de segurança com uma bolsa de ar durante um acidente. Ela ajuda na diminuição da força do impacto sobre o corpo;
  • Airbag de Joelho: As bolsas frontais protetoras de joelhos ainda são pouco conhecidas no Brasil. Com um nome quase autoexplicativo, elas têm como função principal proteger as pernas do motorista do impacto contra a coluna de direção do veículo no caso de acidentes mais fortes;
  • No Capô: Outro apresentado nesta década e ainda pouco usual é o airbag de capô, que fica na base do para-brisa do veículo. Ele é acionado apenas em caso de atropelamentos, impedindo o choque do pedestre contra o veículo.

Como funciona o sistema de airbag do meu veículo?

Esse acessório é composto por uma série de equipamentos, além dos grandes protagonistas: bolsa de ar e o insuflador. Na verdade, o cérebro do airbag é composto por sensores e o módulo, que são responsáveis por medir a pressão aplicada nos freios durante a frenagem, a velocidade das rodas e as condições dos ocupantes nos assentos.

Esses sensores enviam sinais para a unidade de controle do airbag (o módulo) que, por sua vez, analisa as informações e, a partir daí, promove algumas ações, como: travar automaticamente as portas do veículo e cintos de segurança, acionar ou não o airbag do motorista, do passageiro e/ou os laterais.

Caso o airbag seja acionado, os sensores informam ao gerador de gás do insuflador para que a bolsa de ar entre em ação. A capa, que tem espessura de 2 a 3 mm, é feita com um material especial que segura o rompimento do material, e se abre em diversas partes a partir do centro. Daí para frente, a bolsa de ar começa a se esvaziar pelos furos posicionados em sua lateral ou em sua traseira, e já pode absorver o impacto do ocupante.

Pode parecer um longo trabalho, mas toda a operação dura aproximadamente 30 milésimos de segundo.

Como não me machucar com o airbag durante uma colisão?

boneco de teste acidente airbag

Ainda que contribua bastante para diminuir as lesões durante um impacto, o airbag pode causar o efeito contrário. Além de usar o cinto de segurança, existem outras dicas para evitar que o motorista e passageiros se machuquem em uma colisão. Veja:

  • É recomendável que o motorista dirija o veículo a uma distância média de 25 centímetros do volante para garantir a proteção correta e não se queimar com o gás que aciona a bolsa de ar;
  • Seguindo mesma linha, o ideal é que as mãos de quem dirige fiquem posicionadas nas laterais do volante de modo que os braços não se mantenham totalmente esticados;
  • O passageiro da frente deve estar a pelo menos 40 centímetros de distância do painel;
  • Nunca fique com os pés sobre o painel, o airbag pode quebrar as pernas do passageiro durante o choque.

Depois do acidente, como fica a manutenção?

bolsas de airbag

Caso seu veículo tenha acionado o airbag durante uma batida, todo o sistema deve ser substituído. Aqui estão inclusos: volante, painéis, bolsas, módulo, sensores, cintos de segurança, cabos e chicotes.

No entanto, como todos os itens de um veículo, o airbag também necessita de revisão. Nessa circunstância, fique atento à luz de aviso do airbag no painel de instrumentos, que ficará acesa caso o sistema apresente alguma falha.

Em geral, o kit do item de segurança deve ser trocado a cada 10 anos de uso – mesmo se o carro nunca tiver sofrido nenhum choque.

Quer vender o seu carro?

Agende uma avaliação e ajudamos a vender no mesmo dia com pagamento a vista e sem burocracia na documentação

Avaliação Gratuita